A parceria dos Campeões

A parceria dos Campeões

Você já parou para pensar como a evolução tecnológica aliada às transformações nos hábitos da sociedade impactam no nosso dia a dia profissional? Eu venho pensando sobre isso há algum tempo e buscando boas referências que comprovam a importância de estarmos sempre evoluindo, como pessoas, profissionais e equipe.

Hoje, decidi compartilhar com vocês uma das histórias mais fascinantes que conheço sobre evolução. Se você gosta de acompanhar automobilismo, sabe que o pit stop é uma das etapas  mais importantes da corrida, que inclusive pode decidir os resultados. Mas, mesmo que você não goste dessa modalidade, certamente já deve ter visto na TV a realização deste procedimento. Correto?

Agora você deve estar se perguntando: o que isso tem a ver com tecnologia, novos hábitos, profissão e trabalho em equipe? Recomendo que você leia esse artigo até o fim e descubra qual é a conexão entre esses termos.

O que é feito no pit stop?

Nos dias de hoje, o pit stop é realizado durante as corridas para a troca de pneus e abastecimento do carro. É um dos momentos estratégicos da corrida, que é planejado com antecedência pelas equipes e mantido em segredo até o início da competição. Geralmente, esse procedimento envolve 25 pessoas e exige horas de treinamento para que tudo saia como o previsto.

Mas, o pit stop sempre foi assim?

Bom, iniciei esse texto falando sobre as evoluções que passamos no decorrer dos anos, então, é claro que falaria sobre a fascinante transformação do pit stop em meio século de Fórmula 1.

Pit stop na década de 50

Assim como em outros segmentos, a Fórmula 1 também é movida a tecnologia e as mudanças na eficácia do pit stop demonstram muito bem isso. Vou pegar como exemplo a  temporada de Fórmula 1 de 1950, quando a Indy 500 ainda fazia parte do calendário do evento. Há na internet um vídeo que mostra um pit stop do piloto americano Bill Holland, que terminou aquela corrida em segundo lugar.

Diferentemente de hoje, o pit stop naquela época era feito somente por quatro profissionais,  incluindo o piloto. Em um procedimento que durava mais de um minuto, era trocado os pneus, o carro reabastecido e até o para-brisa era limpado. Após todo esse processo, o piloto era liberado para partir e continuar a corrida.

Pit Stop em 2018

Muita coisa mudou dos anos 50 para os dias de hoje. Mas, olhar a evolução no pit stop ainda é algo impressionante. A tecnologia, a preparação dos profissionais e a capacidade de se trabalhar como um time, no qual piloto, mecânicos e equipe se tornam importantes para o sucesso de todos, são simbolizados em apenas dois ou três segundos de pit stop. Isso mesmo, o que antes demorava mais de um minuto, hoje é realizado em um verdadeiro “piscar de olhos”.

Veja como é a estrutura de um pit stop no século XXI:

Elevação do carro

Com a ajuda de um macaco, dois mecânicos (um na frente e outro atrás) elevam o carro a cerca de 10 cm do chão.

Troca das rodas

São três mecânicos para cada roda. Um com uma pistola de ar comprimido para desenroscar a porca, outro para retirar o pneu usado e o terceiro para colocar o novo

Abastecimento

A mangueira é presa ao tanque por dois mecânicos. O líquido só começa a sair (numa vazão de 12 litros por segundo) quando ela está devidamente encaixada.

Finalização

Após encaixar as porcas dos novos pneus, os mecânicos com as pistolas de ar comprimido levantam o braço para sinalizar a finalização.

Atenção!

Um membro da equipe mostra a indicação 1st (primeira marcha) avisando o piloto que ele deve se preparar para deixar os boxes.

Hora de partir

O profissional retira a mangueira do combustível, o mecânico levanta a placa de liberação, sai da frente do carro e o piloto retorna para a corrida.

Todos esses processos duram de dois a três segundos, em uma demonstração clara de agilidade, comprometimento, profissionalismo e pertencimento, pois a vitória do piloto é a vitória de toda a equipe. O paralelo entre vencer e perder uma corrida de Fórmula 1 pode estar em um milésimo de segundo, o que torna o pit stop ainda mais importante.

O que aprendemos com essa evolução?

A evolução do pit stop mostra claramente que as empresas automobilísticas estão preparando cada vez melhor os membros da equipe, pois cada um, mesmo que por segundos, desempenha um papel importantíssimo para o sucesso da escuderia.

E você, investe na sua equipe? Para alcançar o sucesso, é fundamental que todos os profissionais envolvidos estejam trabalhando em consonância, com a motivação e os conhecimentos necessários para que o resultado final seja atingido.

Se a sua empresa precisa evoluir neste aspecto, além de investir em treinamentos de ponta, recomendo que você faça a leitura do artigo que escrevi que mostra como incentivar os intraempreendedores da sua empresa a mostrarem o seu talento no dia a dia.

Caso tenha gostado do artigo e queira compartilhar uma experiência ou esclarecer uma dúvida, deixe a sua mensagem nos comentários abaixo que responderei o mais rápido possível.

 

Escreva um comentário