O CENÁRIO DE PALESTRAS NO BRASIL

O CENÁRIO DE PALESTRAS NO BRASIL

A ABTD (Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento) divulgou na última semana a sua pesquisa anual a respeito do mercado de treinamento e desenvolvimento em 2018. Segundo a pesquisa, o mercado de T&D sofreu uma queda esse ano após 4 anos de crescimento consecutivos.

 

No geral, o mercado de T&D no Brasil é muito menor que nos EUA, e ainda conseguiu dar uma diminuidinha mais. As empresas estão investindo menos em universidades corporativas, estão focando em contratações de pessoas já formadas e investindo menos em formação curricular de seus colaboradores. Dois pontos que já apontam ser tendências por conta da instabilidade econômica e política que o país passa nos últimos 4 anos.

 

O que é curioso nisso tudo é que a mesma pesquisa indica, pelo segundo ano consecutivo, que as empresas multinacionais investem o dobro mais em T&D do que as empresas nacionais.

 

O que me faz cogitar a possibilidade de que essa suposta tendência de queda do mercado de T&D 2018 seja apenas uma separação entre aqueles que veem o copo meio cheio e os que veem o copo meio vazio.

 

E eu me atrevo a me abrir para essa possibilidade pelo fato de estar vivendo um cenário de crescimento profissional exponencial nos últimos mesmo 4 anos. Como diretor da Motiveação Palestras, que representa um produto dentro do vasto cenário de T&D no Brasil, atendemos vários clientes diariamente que nos procuram para terem um auxílio, tanto com o contato com o palestrante, quanto com sugestões de palestrantes que se encaixem no contexto do evento e passe a mensagem que necessitam naquele momento. Algo que é bem particular de cada empresa por sinal.

 

Nesse ano de 2018 nós atendemos mais de 150 empresas diferentes, intermediando quase 200 palestrantes diferentes que levaram mensagens específicas para quase 50 mil pessoas diferentes. Você tem ideia disso? São quase 50 mil pessoas impactadas por mensagens específicas. Mensagens que vão ser interpretadas de 50 mil formas diferentes, é uma baita duma responsabilidade!

 

As necessidades de nossos clientes variam muito de acordo com seu segmento, seu momento, o tema do evento. Em 2018 os temas mais solicitados foram motivação (34,8%), liderança (7,1%), cenário econômico (6%) e vendas (5,4%). O que aponta uma preocupação das empresas em blindar e potencializar a performance de seus departamentos, inclusive a ABTD aponta a métrica melhoria de processos como a principal métrica apontada pelas empresas para verificarem o retorno em investimentos com T&D.

 

Os palestrantes que ficaram em destaque esse ano foram Geraldo Rufino (empreendedorismo e intraempreendedorismo), Rodrigo Pimentel (motivação e vendas), Walter Longo (inovação e marketing), Dado Schneider (inovação e marketing) e Marcio Ballas (criatividade), que inclusive faço questão de apontar como ótimas indicações de palestrantes.

 

Esse ano o investimento médio das empresas com palestrantes foi de R$ 22.003,93, e as empresas apontam a melhora nos processos internos e no trabalho em equipe como os principais retornos com palestrantes em seus eventos. O detalhe é que todo esse gás é passageiro, demandando a necessidade de uma campanha de acompanhamento durante os meses seguintes. É interessante deixar a observação de que, em algumas ocasiões, tem até palestrantes que fazem um acompanhamento mensal para dar suporte nesse tipo de remember periódico aos colaboradores.

 

Como podemos ver, apesar das pesquisas será que realmente o modo como vemos um cenário não influencia totalmente em nossos resultados?

 

Enquanto muitas empresas estão recuando em suas verbas de T&D, outras investem dezenas de reais na contratação de palestrantes para aperfeiçoar seus times. Será mesmo que tudo não é uma questão de ponto de vista? Enquanto alguns enxergam o copo meio vazio, outros encontram oportunidades para aproveitar num cenário de “crise”.

 

Tem uma frase que eu gosto muito e que você provavelmente já ouviu: “se vender água não é pra você, então a crise não está no Brasil. A crise está em você”.  Lembrou? O vídeo do vendedor de água que viralizou na internet, Rick Chesther. Eu acredito que não se trata só de água, se trata também sobre os riscos que você pode estar com medo de correr hoje.

 

Será que a crise está mesmo no Brasil?

 

 

Lucas Lopes

Fundador e Diretor Executivo da Motiveação Palestras

Escreva um comentário