Procrastinar e coçar é só começar.

Procrastinar e coçar é só começar.

Procrastinar é nada mais nada menos do que deixar para depois, adiar, postergar.

Sabe a coceirinha nas costas que vai se espalhando e que no início era singela e logo se torna um campo minado de urticárias quase incontrolável e impossível parar de coçar? Esse hábito tão comum é nossa base para falarmos sobre procrastinação. O título deste artigo é baseado no grande clássico “Trair e coçar é só começar”, uma comédia escrita por Marcos Caruso e considerada um dos maiores sucessos de público no Brasil, sendo encenada desde 1986.

Um pouco de humor é ótimo para encararmos a rotina da vida como um todo, porém não tem nada de bem-humorado em um dos piores hábitos do ser humano e que cada vez se torna mais comum entre nós: a procrastinação.

Primeiro, vamos entender o porque a cada dia a procrastinação aumenta como uma coceira mesmo. Procrastinar não é desvio de caráter e sim, habilidade funcional. Nosso cérebro acostuma-se facilmente com tudo que lhe poupa energia, aliás essa é uma das funções dele, nos poupar. Porém, existem campos neurológicos que nos permite conduzir equilibradamente tudo isso.

Hoje em questão não irei falar de neurociência. Iremos focar nas habilidades comportamentais práticas.

Procrastinar é nada mais nada menos do que ‘deixar para depois’, ‘adiar’, ‘postergar’ aquilo que necessariamente deveria ser feito agora.

Quando digo que este péssimo hábito não é desvio de caráter, embora o ambiente corporativo o veja assim – e, com razão, pois quando deixamos de fazer algo que somos pagos para fazer, aí sim, encontra-se uma falha no caráter- mas vamos à essência do problema.

O hábito em si não é associado ao caráter, pois desde crianças agimos em plena procrastinação em cenário positivo, até que algo de errado aconteça, como nos dois exemplos:

1) A mãe foi ao mercado e pediu para João, de 12 anos, arrumar seu quarto, pois quando ela chegasse queria tudo em ordem. João, por sua vez, calcula precisamente quanto tempo a mãe vai ficar fora e faz de tudo, menos arrumar o quarto. Quando faltam exatos 5 minutos para ela chegar, João, como uma flecha, arruma tudo até jogar o último par de meias no cesto de roupas sujas, eis que a porta se abre e sua mãe presencia o prestativo filho assistindo televisão com seu quarto “arrumadinho”.

2) No colégio é passado um trabalho de pesquisa para a metéria de História voltado a recuperação de notas e faltas, com prazo de entrega para daqui um mês. Você, muito cauteloso e preocupado, verifica em que dia da semana é a entrega e constata que cai numa segunda-feira. Porém, entre o dia dessa constatação e o sábado que antecede o prazo final você pensa: “que bom, ainda tenho o domingo”, e a missão que estava programada para um mês antes fica, agora, toda articulada para a noite de domingo. Mas, como de costume, sai tudo bem. Para que existem os amigos? “Na segunda-feira colocam meu nome no trabalho”.
Ufaaa, mais uma! Enfim, deu tudo certo né? Errado!

Esses exemplos não dão segurança nenhuma ao seu executor, e assim por diante em toda nossa existência. A procrastinação é um dos piores hábitos que uma pessoa pode ter, principalmente quando nos referimos à carreira. Da mesma forma que ela é desenvolvida com o tempo, também podemos eliminar esse vício.

Vou citar situações que nos autossabotamos quando procrastinamos.

Atrasos: Perceba como ninguém é atrasado em tudo o que faz, nos acostumamos a atrasar. Tudo começa quando atrasamos uma, duas, três vezes e nada acontece, vira hábito.

Prazos: Eles foram adotados para serem cumpridos, senão não haveria o menor sentido em estipular. Muitas vezes preferimos pedir mais tempo para entregar determinados trabalhos de nossa responsabilidade do que nos esforçar mais para cumprir o prazo.

Qualidade de vida: Esse campo é o mais sabotado de todos. A vida é tão corrida que, além de nos atrasar e perder os prazos, ainda conseguimos esquecer de nós mesmos, como iniciar o regime para ter mais saúde, a academia que pagamos e não vamos, o livro que compramos e não lemos e a viajem que sempre fica para último plano.

Se não nos atentarmos para tudo isso que a procrastinação acarreta, no final de tudo será decepcionante para nós e para quem amamos. Tenho três superdicas para que isso não aconteça.

– Quando for adiar algo, pergunte a si o que ganhará com este ato;

– Já sabe o que vai ganhar? Então compare com o que ganharia não adiando;

– Coloque os dois ganhos na balança e, finalmente, saberá qual a melhor coisa a fazer e a que não deve fazer.

Bom, aqui está a receita para essa coceira terrível que é a procrastinação: pensar antes e medir as consequências do futuro, é a melhor ação.

Profº Francisco Almeida

Escreva um comentário