Arnaldo Jabor

Jornalista, crítico, escritor

Arnaldo Jabor Motiveação

Arnaldo Jabor, nascido no Rio de Janeiro, é cineasta, roteirista, diretor de cinema e TV, produtor cinematográfico, dramaturgo, crítico, jornalista e escritor. O cineasta e jornalista Arnaldo Jabor já foi técnico de som, crítico de teatro, roteirista e diretor de curtas e longas metragens.

Formado no ambiente do Cinema Novo, participou da segunda fase do movimento, que buscava analisar a realidade nacional, inspirando-se no neorrealismo italiano e na nouvelle vague francesa. Seu primeiro longa metragem foi o inovador documentário Opinião Pública (1967), uma espécie de mosaico sobre como o brasileiro olha sua própria realidade.

Na década de 1990, por força das circunstâncias ditadas pelo governo Fernando Collor de Mello, Jabor foi obrigado a procurar novos rumos e encontrou na imprensa o seu ganha-pão. Estreou como colunista de O Globo no final de 1995 e mais tarde levou para a Rede Globo, no Jornal Nacional, Jornal da Globo e no Bom Dia Brasil, Jornal Hoje, Fantástico e também para a Rádio CBN. Jabor possui um estilo marcante irônico com que comenta os fatos da atualidade brasileira. Abordando os mais variados temas (cinema, artes, sexualidade, política nacional e internacional, economia, amor, filosofia, preconceito), suas intervenções “apimentadas” na televisão e em suas colunas lhe renderam admiradores e muitos críticos.

“Arnaldo Jabor é conhecido por possuir um estilo marcante irônico com que comenta os fatos da atualidade brasileira.”

 

 

< < Clique aqui e veja outros Palestrantes do Jornalismo > >

Download Perfil

Livro---Amigos-ouvintesAmigos ouvintes – O livro é dividido em sete capítulos e apresenta temas que o autor debate em seu programa e que geraram esse volume. Faz uma comparação entre Obama e reflete sobre uma série de assassinatos. O autor fala sobre vários assuntos, como o das células-tronco embrionárias. E lança uma pergunta ao leitor para tentar definir a importância de algumas personalidades, entre elas, Oscar Niemeyer e a mulher-objeto Marilyn Monroe. Os comentários de Jabor no capítulo ‘Cinema’ têm a ver com certa nostalgia que sente acerca de filmes de um passado recente.

 

Livro---Amor-é-prosa,-sexo-é-poesiaAmor É Prosa, Sexo É Poesia – O livro reúne as melhores crônicas de Arnaldo Jabor sobre nossas obsessões mais íntimas: sexo e amor, família, mulheres. São 36 textos em que Jabor anuncia sem pudores sua fome de beleza em tudo: na vida, na política, no amor, no sexo.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *